4 dicas para economizar tempo

4 dicas para economizar tempo

Alguns dias atrás me deparei com um vídeo bem interessante postado em um  fórum de discussão que participo. O vídeo em questão é do cartunista Lars Martinson, que conta o que deu errado num projeto que levou 13 anos para concluir. Você leu certo: 13 anos para concluir.

Na nossa área criativa, é muito comum as pessoas falarem sobre suas vitórias, conquistas e qualidades, mas pouco se fala sobre os erros, frustrações e fracassos. O vídeo de Lars, embora didático, tem um grande ar de desabafo também. E, afinal, do que se trata o vídeo?

Falha Colossal

Lars conta a sua trajetória no que chama de “falha colossal”, que o levou a passar mais de uma década desenhando uma história em quadrinhos chamada Tonoharu, usando um estilo bem peculiar de desenho e pintura baseado em obras do século 19. E não apenas peculiar, mas extremamente demorado.. Não apenas isso, mas outras questões que envolvem o escopo do projeto, o que inclui a quantidade de localidades a serem desenhadas (mais de 200, e em ângulos diferentes), são abordadas no vídeo. O trabalho incrivelmente detalhado e bastante complexo não seria um problema se não fosse um fator determinante: o tempo. Lars começou o projeto com 25 anos e concluiu com… 38. Como ele fala no vídeo, se continuasse nesse ritmo talvez terminasse outros dois projetos antes de se aposentar. 🙁

Pensando nisso, ele elaborou uma lista de 4 coisas que profissionais e artistas precisam ter em mente se quiserem, basicamente, ter uma vida produtiva e produzirem mais coisas.

1. Falhe mais rápido

A ideia desse preceito vem do fato de que, quanto mais rápido você falhar, melhor. O que isso significa? Que nunca um projeto vai ser concluído com 100% de perfeição. E, até você chegar nessa tão sonhada perfeição, você precisa ter falhado, aprendido, evoluído e repetido esse processo diversas vezes. Portanto, quanto mais rápido você focar em terminar seus projetos, e eventualmente falhar com eles, mais rápido você vai chegar onde quer.

2. Abrace a “preguiça” criativa

Aqui não significa ficar sem fazer nada. Pelo contrário. É saber o que fazer e o que não fazer. É parar de ter fetiche por fazer um trabalho artisticamente perfeito e simplesmente pensar formas “preguiçosas”, ou, na verdade, eficientes, de concluir as coisas mais rápido. Embora certos profissionais e artistas tenham prazer em trabalhar muito e produzir coisas milimetricamente perfeitas, pode ser muito mais interessante você fazer apenas o necessário, com menos trabalho, para o projeto estar pronto. Você deve, enfim, ser extremamente seletivo com o quê e quando gastar tempo extra num projeto.

3. Escolha suas batalhas

Saiba onde e como depositar suas energias para um trabalho estar bem feito, bem produzido e ser comerciável. Não adianta muito você gastar tempo e energia numa cena simples de um projeto, quando outra cena, a mais importante é a que deve ser o seu foco.

4. Nada deve ser sagrado

É importante entender que certas coisas podem e devem ser cortadas se isso significar um melhor gerenciamento de tempo pro seu trabalho. Isso inclui de cenas inteiras e desenhos, até mesmo à sua visão artística, se significar que você vai passar tempo demais em um único projeto se seguir o que tem em mente indiscriminadamente.